Terça, 18 de Dezembro de 2018 |
Mais de 25% de estudantes adolescentes apresenta sintomas de depressão

09:40 - 04/10/2018     16 visualizações SAÚDE
Imprimir
Um em cada quatro alunos do 7.º ao 12.º ano apresenta sintomas de depressão, com especial incidência nas raparigas, concluiu um estudo da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, hoje apresentado.

O estudo realizado no ano letivo 2017/2018, no âmbito do programa "+Contigo", envolveu cerca de 6.900 alunos, dos quais 6.100 foram validados, segundo o coordenador José Carlos Santos, enfermeiro especialista em saúde mental.

"Há cerca de 26% de adolescentes que tem sintomatologia depressiva, desde leve a moderada e grave, e destes, 600 (cerca de 40%) estão em risco mais elevado de terem comportamentos auto lesivos", disse o responsável à agência Lusa.

No terreno há nove anos, o programa "+Contigo" tem vindo a crescer de forma progressiva ao longo dos anos, abrangendo escolas das regiões Centro e Sul, Algarve e Açores, mas o objetivo é dentro de dois anos ser estendido à região Norte.

De acordo com José Carlos Santos, "há mais vulnerabilidade nas raparigas no que toca à saúde mental, comparativamente com os rapazes, e há mais vulnerabilidade no ensino secundário do que no terceiro ciclo".

"Comparativamente aos anos anteriores não há uma melhoria, há alguma estabilidade em termos de números e há um ligeiro da sintomatologia depressiva, sobretudo moderada e grave na avaliação inicial, embora no final tenhamos conseguido reduzir um pouco essa sintomatologia depressiva", sublinhou.

No entanto, acrescentou, "do ponto de vista da saúde mental não podemos dizer que os indicadores estão melhores, mas sim que houve alguma estabilidade com ligeiro agravamento da sintomatologia depressiva".

"Quem esteve no projeto melhorou o bem-estar, o autoconceito e o coping [processo cognitivo para lidar com situações de stress], resultados muito evidentes de efetividade do programa, sendo de registar que, nas escolas onde o '+Contigo' está implementado, não houve situações de comportamentos suicidários registados", frisou.

José Carlos Santos destacou ainda um outro projeto realizado numa escola do Sul em que a equipa do programa foi chamado a intervir devido à existência de três suicídios no ano letivo 2016/17.

"Estivemos lá a intervir no ano passado e, passado um ano, registamos com muita satisfação que não houve repetição de comportamentos suicidários, o que nos deixa muito felizes por termos prevenido algo que é relativamente comum, particularmente entre adolescentes, que é a repetição dos comportamentos de alunos no mesmo contexto", sublinhou.

O coordenador do programa "+Contigo" revelou ainda que está a causar apreensão o que está a acontecer na Irlanda, onde houve um aumento drástico de suicídios de adolescentes entre os 15 e os 19 anos.

"A história desses adolescentes tinha uma história que é concomitante com a nossa: são adolescentes que fazem cortes, que não têm nenhum acompanhamento do ponto de vista da saúde e que numa adolescência mais tardia cometem suicídio", referiu José Carlos Santos.

"Isso releva a importância deste projeto, o estarmos atentos a estes jovens que não têm contacto com profissionais de saúde, mas que de facto, como a Irlanda demonstrou nestes últimos três anos, são jovens de elevado risco para comportamentos suicidários", concluiu.

O estudo foi apresentado hoje durante o VII Encontro "+Contigo", programa que integra o Plano Nacional de Prevenção de Suicídios, que decorre durante todo o dia na ESE de Coimbra.

 

Por: Lusa

 
Newsletter
Preencha o campo para subscrever a newsletter
notícias mais lidas


 
 
CATEGORIAS
A VOZ DO ALGARVE
APOIO AO CLIENTE
Visite-nos