Terça, 23 de Julho de 2019 |
Entrevista | O Algarve visto pelo Grupo de Guias-Intérpretes Regionais

21:14 - 10/03/2019     456 visualizações LOULÉ
Atualizado em: 10/03/2019
Imprimir
Cerca de meia centena de Guias-Intérpretes do Algarve, visitaram recentemente o Concelho de Loulé e reuniram-se em mais um almoço de trabalho e confraternização a fim de trocar impressões sobre pontos de interesse turístico, explorados e ainda por explorar, do concelho de Loulé.

A Voz do Algarve foi de encontro a este grupo de Guias-Intérpretes, onde a porta-voz Cristina Marreiros, nascida em Vila do Bispo, residente em Bensafrim, Concelho de Lagos, formada como Guia-intérprete nacional, na Escola de Hotelaria e Turismo de Faro, ano letivo 88/91 e desde que se formou, que exerce esta profissão em Portugal, deu a conhecer mais detalhes sobre esta atividade.

A atividade turística cedo se revelou essencial ao desenvolvimento económico do país, assim como a regulamentação de profissões que pudessem responder aos requisitos. Verifica-se que a primeira regulamentação da profissão de Guia-Intérprete data de 1912, sendo então já exigível uma licença para o seu exercício.

Em 1936 assiste-se a uma nova vaga legislativa e regulamentadora da profissão, respondendo às novas realidades e abrindo caminho para legislação mais recente.

O final dos anos setenta consolida as linhas mestras que vão estar na base de toda a legislação que vai caracterizar e regulamentar o exercício da atividade, os requisitos de formação, bem como outras características inerentes às profissões.

Guia-Intérprete Nacional  é o profissional que acompanha turistas em viagens e visitas  a locais de interesse turístico, tais como museus, palácios e monumentos nacionais,  prestando informação de carácter geral, histórico e cultural, cuja atividade abrange  todo o território nacional.

Os Guias-Intérpretes fazem; Circuitos  nacionais; Visitas  locais; Visitas  a  pé; Visitas  culturais  e  temáticas; Visitas  para  grupos  escolares; Visitas  personalizadas; Acompanhamento  de  grupos  no  estrangeiro; colaboração  na  organização  de  congressos,  eventos  e  incentivos.

 

VA: Que tipo de organização vos enquadra nesta atividade, são uma Associação ou outro tipo de organização?

CM: Somos ainda um grupo informal, mas encaramos seriamente a ideia de constituir uma Associação de Guias-intérpretes do Algarve. Neste momento existe apenas uma Associação de âmbito nacional, a AGIC, Associação Portuguesa dos Guias-Intérpretes e Correios de Turismo (AGIC) e existe ainda um Sindicato Nacional da atividade turística das tradutoras-interpretes desde 1939 um dos mais antigos de Portugal, mas que devido à legislação atual desta profissão não se justifica as funções sindicais mas sim associativas, porque somos profissionais liberais.

 

VA: O que tem feito para dar a conhecer e afirmar a vossa profissão de Guias-intérpretes?

CM: Temos realizado vários encontros por todo o Algarve que para além de momentos de convívio, são essencialmente encontros de troca de informação atualização entre todos nós, para assim podermos conhecer melhor os nossos locais de trabalho em cada um dos concelhos do Algarve.

Contactamos as Câmaras Municipais, sensibilizamo-los para os nossos problemas e necessidades turísticas das pessoas que visitam cada um dos locais.

 

VA: Explique porque exercem esta profissão como profissionais liberais?

CM: É assim, somos profissionais liberais porque prestamos o serviço ao meio-dia, ao dia, à semana ou por períodos um pouco mais longos, na nossa área de residência, na região ou em qualquer ponto do País. Deixamos os nossos contactos nas agências de viagens e mediante as necessidades destas, ou seja, dependendo dos programas que oferecem ao turista, as línguas que nós dominamos, a nossa área de residência, são solicitados os nossos serviços, que mediante o valor proposto e a nossa disponibilidade, acordamos ou não o trabalho e somos pagos através da emissão de um recibo verde.

 

VA: O que é que acha que poderia ser feito para regulamentar a profissão de Guia-intérprete?

CM: Voltamos um pouquinho atrás no tempo, esta profissão estava regulamentada pelo menos desde 1979/80 e tinha uma exigência elevada no acesso à universidade. Assim as provas de acesso eram realizadas em prova escrita e oral em pelo menos duas línguas, o inglês obrigatório e ainda o francês ou o alemão, para além de teste psicotécnicos e de entrevista pessoal.

Esta profissão, está também regulamentada em Espanha, Itália, Grécia, Turquia, que são dos maiores recetores de turistas à escala da europa, para estes países do Sul esta profissão tem maior importância que no norte da europa. Estava-se a tentar que as pessoas que passam informação turística, ou seja, aqueles que são os Embaixadores turísticos do País, tivessem formação tanto a nível profissional como a nível pessoal para o desempenho desta profissão.

Há alguns anos atrás, para ser mais precisa, no governo de José Sócrates, por pressão de diretivas da União Europeia, Portugal foi o primeiro País do Sul a desregulamentar esta profissão e assim permite que pessoas de diferentes nacionalidades e com formação reduzida nesta área sejam Guias-intérpretes e passem informação turística do nosso País sem grande conhecimento de causa.

A falta de regulamentação faz com que alguns países do norte da europa, com destaque para Alemanha, aproveitem essa fragilidade da lei portuguesa e assim muitos turistas do norte da europa veem acompanhados nas viagens a Portugal por jovens ou por reformados que cobram muito pouco, ás vezes até prestam esse serviço em troca da simples viagem e estadia.

 

VA: Como podem ser melhoradas as condições de trabalho na vossa profissão?

CM: É simples, o ideal, o sonho, é voltar a ter regulamentação, até porque nos últimos anos com o desenvolvimento do turismo, tem aparecido uma série de empresas de animação turística, que fazem tudo e mais alguma coisa, muitas sem formação adequada. Isto é mau para o nosso turismo, porque deveria de existir para as empresas de animação turística, uma formação obrigatória para quem exerce essa atividade profissional. Para os profissionais saberem o que andam a fazer, não só ao nível da informação que prestam, mas também terem mais cuidado com a manutenção do património natural e do património edificado.

Mas para impormos estas nossas ideias, somos poucos, não temos peso na decisão, posso salientar que no Algarve somos apenas 73 guias oficiais, que moram ou trabalham desde o Algarve, no País somos muitos mais e deveríamos juntarmo-nos, para junto da Assembleia da República pugnarmos pela discussão e regulamentação da atividade e quem sabe, chegar ao Presidente da República que porventura estará disponível para esta causa , como tem estado para outras causas.

É aqui que surge a necessidade de criar uma Associação que reflita os nossos problemas e os interesses do Algarve, mas que acima de tudo traga credibilidade á nossa profissão.

 

VA: Em relação à criação da Associação, qual o primeiro passo a dar?

CM: Pois, terei que ser eu mais uma vez a dar os primeiros passos. Inicialmente iremos procurar estatutos, códigos deontológicos, marcar uma reunião tendo em vista a definição da quota, registar a associação e assim começar.

 

VA: Como escolhem e atualizam os pontos de interesse para visitas turísticas no Algarve?

CM: No sentido de enriquecer o nosso conhecimento, sobre cada um dos 16 concelhos do Algarve, tentamos, junto das Câmaras Municipais, promover visitas guiadas aos principais pontos de interesse de cada concelho.

No caso da Câmara Municipal de Loulé, sempre tivemos muita abertura e recetividade. Visitamos recentemente o cemitério de Loulé e a Mãe Soberana, que são locais muito procurados principalmente pelos turistas do Norte da Europa.

 

VA: Ainda há muito por descobrir no Algarve?

CM: Há. Há mesmo muita coisa por descobrir até mesmo nos locais mais visitados. O reforço da colaboração entre os Guias- intérpretes e as câmaras municipais, e todos os demais intervenientes no Turismos, faria com que todos trabalhássemos em conjunto e não de forma isolada com na maioria dos casos acontece.

 

VA: E quem são esses parceiros?

CM: No fundo os parceiros são todos os que trabalham com turismo, desde os empregados de mesa, aos motoristas dos autocarros e todas as pessoas que direta ou indiretamente desenvolvem uma atividade profissional ligada ao turismo.

 

VA: Mencione alguns exemplos de dificuldades que enfrentam no desempenho desta profissão?

CM: Por exemplo, temos programas desatualizados que propõem visitas a espaço que nesse dia estão fechados, temos por exemplo turistas que se deslocam em cadeiras de rodas e por défice de informação não sabemos que o percurso a visitar, simplesmente não tem acessibilidade a pessoas com mobilidade reduzida, o acesso a casas de banho públicas, que escasseiam ou quase não existem e que para resolver a situação, aconselhamos os turistas a irem a um café beber uma aguinha ou um cafezinho e assim ter direito a utilizar a casa de banho, agora imagine o tempo perdido se as 50 pessoas quiserem ir beber o tal cafezinho para ir à casa de banho. Quem faz estes roteiros turísticos, nos escritórios, muitas vezes não têm a noção dos problemas que enfrentamos na rua.

 

VA: O que aconselha aos jovens que pretendam enveredar por esta carreira?

CM: O que eu recomendaria era que ao nível do Algarve se criasse um curso superior de Guias-turísticos, porque o Algarve é a principal região turística do País e o grupo atual de Guias- intérpretes, como costumo dizer a brincar, já somos vistos como os dinossauros da profissão, fazendo assim falta o rejuvenescimento desta profissão, para assim atrair a camada mais jovem.

 

VA: Que contributos ou ideias pode destacar a fim de melhorar a qualidade do turismo no Algarve?

CM: Um exemplo recente no Algarve e que trás turistas mais exigentes, mas disponíveis para pagar uma qualidade superior, são os Cruzeiros. Importa incrementar este tipo de turismo no Algarve, melhorando as condições de acesso ao Porto de Portimão através de drenagens há muito reclamadas. Temos uma Costa magnífica, quer em termos paisagísticos, mas também geológicos, com monumentos importantes da era dos descobrimentos que importa dar a conhecer. Temos de apostar ainda mais na nossa gastronomia, apostar em provas gastronómicas, divulgar mais as Rotas dos Vinhos, apostando em provas de vinhos Algarvios que estão pelo menos há uma década em moda. Não esquecer a doçaria regional, porque o Algarve não é só sol e praia.

 

Nathalie Dias

 

AUTARQUIA QUER MELHORAR EXPERIÊNCIA DE TURISTAS NA CIDADE

 

Com o objetivo de discutir formas de melhorar a qualidade do turismo na cidade de Loulé e aumentar o afluxo de visitantes, um grupo de Guias-Intérpretes nacionais realizou, no passado mês de fevereiro, uma visita organizada pela Câmara Municipal ao Concelho.

Estas guias estiveram em alguns locais de passagem obrigatória nos roteiros turísticos, nomeadamente na Igreja de S. Lourenço (contando com a colaboração do pároco de Almancil, Jorge de Carvalho) e ao Santuário da Nossa Senhora da Piedade, acompanhadas pela técnica da Divisão de Cultura, Museu e Património, Helga Serôdio. À tarde, foi realizada uma visita ao Cemitério de Loulé. A acompanhar o grupo, a investigadora de História e Cultura local, Luísa Martins, falou de algumas das figuras de destaque que aqui se encontram sepultadas, como o poeta António Aleixo, o seu “Secretário”, Prof. Joaquim Magalhães, o popular médico Bernardo Lopes ou o político e comerciante José da Costa Mealha, entre outros, das questões ligadas ao estilo arquitetónico deste espaço, estatuária e artes que integra, entre outras informações que poderão suscitar o interesse dos turistas.

O turismo cemiterial poderá ser, de resto, um dos atrativos da cidade de Loulé. Cada vez mais, um pouco por toda a Europa, os cemitérios adquiriram também esta vertente aliada ao turismo e um dos casos mais emblemáticos é o Cemitério Père-Lachaise, em Paris, que recebe diariamente muitos turistas. Este poderá ser também um dos caminhos para atrair mais visitantes à cidade de Loulé.

Recorde-se que, no final do ano de 2018, a Câmara Municipal de Loulé reuniu com guias, operadores turísticos, agências de viagens, entre outros representantes do setor, com o objetivo de criar uma estratégia para dinamizar a atividade turística na cidade.

 

CML

 

 

 
Newsletter
Preencha o campo para subscrever a newsletter
notícias mais lidas


 
 
CATEGORIAS
A VOZ DO ALGARVE
APOIO AO CLIENTE
Visite-nos