Domingo, 15 de Setembro de 2019 |
CANETA VELHINHA

10:55 - 11/06/2019     129 visualizações OPINIÃO
Imprimir
POESIA por Isidoro Cavaco | isidorocavaco@gmail.com

P’ra te contar meu segredo

Sempre escrevi quase a medo,

Esta dor do meu sofrer,

Muitas cartas escrevi,

Cartas de amor para ti,

Que tu rasgaste sem ler.

 

Cartas cheias de ilusão,

Retalhos do coração,

De tristezas e fracassos,

Escrevi o meu sentir,

Mas nunca quiseste ouvir,

Esta minha alma em pedaços.

 

Escrevi cartas sem fim

Que só falavam de mim,

Deste amor, desta saudade...

Tudo nelas quis dizer,

Mas nunca as chegaste ler,

Nem sequer, por caridade.

 

Por tanto escrever p’ra ti

Na angústia que sofri,

Ao suportar esta dor,

Minha caneta velhinha,

Já sabe escrever sozinha,

O teu nome, meu amor.

 

 
Newsletter
Preencha o campo para subscrever a newsletter
notícias mais lidas


 
 
CATEGORIAS
A VOZ DO ALGARVE
APOIO AO CLIENTE
Visite-nos